Torne-se um seguidor deste blog!

Se
você não pode visitar a APAE pessoalmente, visite pela internet: Não perca a oportunidade de conhecer esse belíssimo trabalho!

A pessoa com deficiência quebra a cultura da indiferença. Tenha coragem de ser diferente.



Assistam os videos sobre a Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Multipla


Assistam os videos sobre a Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Multipla



EM BUSCA DE IGUALDADE. ESTAMOS AQUI!

A Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla este ano aborda esta temática importante, típica dos dias de hoje, quando etapas foram superadas daquela antiga visão de pessoas com deficiência intelectual como seres doentios, sem nenhuma iniciativa, nenhum desejo que se pudesse chamar seu, existia aos olhos dos observadores.
As últimas décadas, tanto no Brasil como no resto do mundo, vêm marcando a presença cada vez mais atuante de jovens e adultos com deficiência intelectual, a bem dizer, também de outras deficiências, em busca de seus direitos de cidadania que durante tantos séculos lhes tem sido negados.
O movimento apaeano teve participação muito grande na evolução que se nota das grandes questões de interesse de pessoas com deficiência intelectual e suas famílias, pois desde as primeiras Apaes fundadas no Brasil e logo no começo do movimento a fundação da Federação Nacional das Apaes, na cidade de São Paulo, em 10 de novembro de 1962, houve um florescimento de nossas organizações em escala crescente.
As novas Apaes foram criando suas estruturas próprias e dentro delas os pais foram colhendo conhecimentos, a princípio uns dos outros, houve logo interesse em colher informações sobre a questão da pessoa com deficiência intelectual em outras regiões do planeta.  Naqueles primeiros anos de trabalho, lembramos bem, dizia-se “os fracos da ideia”, “os mongoloides”, “débeis mentais”, uma série de denominações, colocadas pelo vulgo e que eram o chavão da época.
Além disso, se surgia um crime destacado, que chamava a atenção, o eventual criminoso sempre era chamado de débil mental, retardado, pois constituíam no atraso da época os bodes expiatórios de tudo que havia de ruim na sociedade.
Os anos foram passando, não só no Brasil, no mundo, e contribuiu muito para uma mudança total de valores o enorme progresso das comunicações entre pessoas, sociedades e povos.  Do antigo rádio que nos acompanhou em nossa meninice distante chegamos em 1950 ao início das irradiações da televisão, uma coisa espantosa que não parecia verdadeiro, de repente podíamos ver à nossa frente uma série de pessoas falando, se movimentando, surgiram os teatros da televisão, as primeiras tele-novelas, tudo isso foi contribuindo para que o tema – retardamento mental da época – fosse discutido fora dos quartos de dormir, entre os pais ansiosos e muitas vezes envergonhados de terem tido um filho assim tão diferente da média.
Lembro como se fosse hoje, à noite em que pela primeira vez uma Apae, no caso a Apae de São Paulo, de que havíamos sido fundadora com um grupo de outros pais aflitos, foi convidada a participar de uma mesa redonda, imaginem! à noite,  nos estúdios da TVCultura, que naquele anos, 1962, era localizada na rua 7 de abril num prédio comum onde ocupava algumas salas na cidade de São Paulo.
Estavam presentes o então Presidente da Apae de São Paulo, o amigo Gilberto da Silva Telles, o Juiz de Menores da época Dr. Aldo Assis Dias, um psiquiatra infantil Dr. Haim Grunspun, Dra. Betty Lichetenstein e nós mesmas que tínhamos a incumbência que nos fora dada pela sempre amiga e sempre presente mãe da Apae, Alda Moreira Estrázulas, de representar as mães da Apae, dirigindo algumas palavras de alento as mães que, como nós mesmas, tínhamos em casa um filho com deficiência intelectual, um filhinho retardado na linguagem da época.
Foi esse um primeiro passo hesitante, mas muito importante porque como havia poucos aparelhos de TV e poucos programas não só as nossas famílias, mas grande parte dos paulistanos ouviu a discussão do tema deficiência mental e as palavras finais de uma mãe, coisa raríssima na época tanto assim que foi a inauguração de nossos contatos com a TV.
A partir de então, com o crescimento rápido de muitas Apaes por todo o Brasil, e principalmente quando em 1966 a Federação Nacional das Apaes filiou-se à então Liga Internacional de Associações Pró Pessoas com Deficiência Intelectual, sediada em Bruxelas, Bélgica, rebatizada no Congresso Mundial de 1994 em Nova Delhi, na Índia, como Inclusion International, começamos a compreender melhor o valor humano de nossos filhos e que deveríamos formar uma corrente de energia e de esperança ao redor do mundo para defender o seu valor humano, tão posto de lado.
Hoje, abril de 2012, fala-se muito e com toda a razão da igualdade de oportunidades, de direitos, direito a uma vida independente e digna na comunidade, de nossos filhos e amigos que de pequenos, há 50 anos, passaram a adultos e começam a envelhecer conosco, pais pioneiros!
Foi muito importante que as próprias pessoas com deficiência intelectual se unissem em alguns países, inicialmente, hoje em quase todo o planeta, em grupos chamados de “selfadvocates” ou em português autodefensores, como são conhecidos no Brasil e em muitos outros países.
Precisamos ouvir a voz de nossos autodefensores no Brasil e em qualquer parte do mundo.  Eles estão por aí, ansiosos por participar da sociedade a que legitimamente pertencem.  Daí o tema central de nossa próxima Semana Nacional:
EM BUSCA DE IGUALDADE.  ESTAMOS AQUI!
O documento de alcance mundial mais debatido e analisado em todo o mundo é, sem sombra de dúvida, a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.  Seus artigos são inovadores e muito ousados, mas devem ser respeitados em sua inteireza porque representam anos de pesquisa, infindáveis reuniões nas Nações Unidas de representantes das pessoas com deficiência intelectual, seus familiares e os inúmeros voluntários que têm dado o melhor de si a nossa causa. Todo esse exército de gente de boa vontade debateu, exaustivamente, cada item da Convenção.
No Brasil ela faz parte da Constituição brasileira, o que demonstra o avanço que tivemos em nosso país em relação ao tratamento dado a pessoas com deficiência intelectual.
Essas pessoas, crianças, jovens e adultas, devem de fato estar aqui.  É somente quando nós mesmos saímos a campo defendendo seus interesses, seu direito à vida, à sexualidade, a uma vida independente, a um emprego digno e a uma aposentadoria justa, que seremos ouvidos.  Ninguém pode falar por nós, pais, se não conhecem os nossos anseios, nossas angústias, nossos medos e, ainda, a nossa enorme coragem interior que é justamente o que caracteriza nossos queridos amigos e filhos com deficiência intelectual.
Quem convive com um filho com deficiência intelectual grave, com múltiplas deficiências como nós, durante 56 anos, sabe o que está dizendo quando afirma que pessoas com essa deficiência são em verdade donas de uma personalidade riquíssima, em que sentimentos de afetividade e dignidade pessoal são seus maiores tesouros.
Maria Amélia Vampré Xavier
Assessora da Diretoria de Assuntos Internacionais-Fenapaes.
 
 
Fonte: http://www.apaebrasil.org.br/artigo.phtml/21375
A NOITE DO CALDO 2012 FOI UM SUCESSO!!!!
E foi mesmo... no dia 06 de julho consiguimos lotar o espaço de lazer da Colônia dos Diabeticos. O som ficou por conta da Banda Rock Santeiro que embalou a noite com um respertorio super animado e diversificado. Gostariamos de agradecer a todos que colaboraram para que este evento pudesse ser realizado, em especial a todos os parceiros que nos acompanham em nossa jornada! Ahh  devido a tanto serviço fico devendo as fotos do salão lotado, quem tiver tirado fotos do no momento do evento nos enviei para publicarmos aqui no blog. Abraços fraterno!!!Até a noite do caldo 2013 







 No mês de julho estivemos participando do projeto Germinar, programa de educação ambiental da Gerdau. E como sempre fomos acolhido carinhosamente pela equipe do projeto. Na ocasição apresentamos a peça de teatro João Jiló cujo tema é voltado as questões ambientais(preservação da fauna e flora). Nossos alunos puderam percorer a trilha preserservada alem de vivenciar diversas experiencias senosoriais. Fica o nosso agradecimento especial a todos do Germinar. VALEU!!!!!


 

LOJAPAE

LOJAPAE

Total de visualizações de página

Assitam

Loading...